Rosa é para meninas, azul é para meninos, estigma quebrado. Boné é para homens, tiara é para mulheres, não mais. Cabelo curto é para eles, cabelo longo é para elas, imposição vencida. Calça é para todos, saia é somente para elas, eterna discussão, repleta de preconceito que ninguém sabe por que ainda não foi superada. É contraditório, não é mesmo? Afinal, há 3000 atrás, aproximadamente, a saia começou a ser usada pelos sumérios, depois no Egito e no Império Romano. Já na Idade Média andávamos todos de túnicas, até alguém ter a brilhante ideia (ironia mode on), de fazer os pobres coitados dos homens se enfurnarem em calças e bermudas enquanto as túnicas das mulheres foram mais ajustadas ao corpo.

Polêmicas a parte, a peça faz parte do vestuário de Marc Jacobs, famoso estilista americano que desfila por aí seus modelitos sem se importar com olhares curiosos ou de reprovação. Inclusive, quando veio ao Brasil, saiu lindamente com seu namorado a tira-colo, ambos vestindo saias! Chanel, por volta de 1910, era hostilizada por muitos e aclamada por tantos outros por ter sido a pioneira no uso e criação de calças femininas, além das gravatas, camisas e chapéus que faziam parte de seus looks diários, hoje tão comuns às mulheres contemporâneas.

matheus

Para Matheus Constantino de 34 anos, engenheiro, hétero, casado, pai de uma menina e adepto das saias, a preferência sexual não tem relação alguma com a roupa que se usa. “Eu gosto de usar algumas roupas consideradas femininas, mas não quero me vestir de mulher. Quero usar as peças no meio das roupas consideradas normais para homem” conta Matheus. Os escoceses que o digam, o que seria do kilt se houvesse o preconceito que há no Brasil?

ivan

A moda é dinâmica, irreverente e extremamente pessoal. Estilo não respeita classe social, opção sexual ou épocas do ano, ele apenas se revela em algumas poucas pessoas, admitam! Ivan Litenski é estudante de Artes, homossexual, tem 22 anos e é uma dessas raras pessoas de estilo nato. “Desde quando criança usava saias, pegava saias da minha irmã e vestia, achava divertido o movimento, a liberdade”, disse Ivan em entrevista para MOOD. O estudante ainda reitera sua posição nos contando que hoje, aos 22 anos de idade, voltou a usar saia e não por modinha “Mas sim por quebrar estes estereótipos de gêneros. Em minha opinião, uma saia não define caráter, muito menos sexo, é apenas mais uma opção de vestuário. Tenho meus direitos de ir e vir, uma saia não mata ninguém (ao menos, não com ela vestida)” há! Como não amar? #MOODapoia

ingrid

Mas não é só de homens que esse universo recebe apoio, para Ingrid Neves, de 29 anos e social media “Assim como a mulher pode usar roupas com pegadas mais masculina (tipo uma calça boyfriend, camisa, gravata, calça cargo…), acho que o homem também pode usar peças femininas. O problema aí acho que é muito mais cultural do que somente de moda mesmo. Se a mulher usa roupas masculinas ela é trend, é antenada. Se o cara coloca saia é viado, gay, traveco ou louco (sim, é assim que você pode ser chamado pelos mal educados e preconceituosos de plantão). Da minha parte eles têm total apoio. Basta saber se eles estão dispostos a peitar essa atitude, a quebrar essa barreira. Certo dia participei de uma enquete onde um amigo queria saber a opinião das pessoas sobre os homens usarem legging. Algumas ridicularizaram, mas a maioria estava preocupada mesmo era se o cara ia usar com ou sem vulgaridade. Assim como as pessoas reparam nas “patas de bode” e criticam, também não querem ver as genitais masculinas quase que furando a calça. Acredito muito que essa barreira do que homem e mulher vestem pode acabar, mas alguém precisa abraçar a causa e eu ofereço meu apoio”.

Que tal todos darmos um basta nessa mania de rotular tudo e todos? As vitrines estão aí repletas de bizarrices que a gente adora, os homens estão aí também com suas pernocas que a mulherada pira tanto quanto em shopping, bora mostrar, ser livre e ser feliz! #NoMOODdoRespeito #VemPraRuaDeSaia

Quer saber novidades sobre o que tem rolado no mundo “Homens de saia”? Façam parte do grupo no facebook http://www.facebook.com/HomensDeSaia e fiquem por dentro do que rola!


Paula Moran

Gauchíssima, já quis ser arquiteta, bióloga marinha, jardineira e bailarina, no momento é conteudista na MOOD, social media em uma agência digital e estudante de Jornalismo. É curiosa e fofoqueira, mas não curte muito o ser humano, então prefere interagir com as plantas. Quando crescer quer ser instrutora de yoga para animais, mas antes disso precisa parar de fumar. Nas horas vagas costuma alternar paixões entre livros, lápis, papéis, música, incensos, chás e tatuagens. Se tudo der certo vai dar tudo errado e ela vai ser deportada para o Uruguai.

Facebook: https://www.facebook.com/paulinhamoran
E-mail: [email protected]

All author posts

Privacy Preference Center